Jubepar

Fortalecendo o ministério com Juventude

Sem Comentários

Fortalecendo o ministério com Juventude

Toda igreja se emociona quando, durante um culto de domingo, adolescentes e jovens dirigem o louvor, dão testemunho e às vezes até pregam. Mas na hora de conseguir os líderes adultos para liderá-los, a maioria diz que não tem chamado, não tem jeito para esta faixa etária e outras tantas desculpas. Acaba sobrando para alguém que estava meio distraído na hora e aí não tem mais jeito de se safar… Mas quando começa a se envolver, logo se apaixona ou se desespera. De um jeito ou de outro surge a questão: E agora, o que fazer? Como fazer? Socorro!

Talvez não tenha sido este o seu caso, mas certamente foi o meu. Comecei como substituto de professor da antiga EBD em uma turma de 15 adolescentes (o professor titular, que por acaso era meu irmão mais velho, estava se mudando de cidade e me constrangeu a quebrar um galho “só por um tempo até acharem outro professor”). Tinha na época 29 anos e agora 13 anos depois, além de continuar como professor de adolescentes e jovens na nossa escola de preparação de líderes, sou o pastor da Igreja Batista Central de Belo Horizonte responsável pela Rede da Juventude que reúne mais de 500 adolescentes (da 5ª série até o 3º ano) e jovens universitários e profissionais. Como arquiteto, jamais tinha pensado em me tornar um pastor… Hoje continuo com meu escritório de arquitetura e trabalho tempo parcial na igreja. Ao analisar a obra de Deus na minha vida e na vida de tantos jovens e adolescentes, custo a imaginar o que eu seria hoje se não tivesse aceitado “quebrar aquele galho”. Certamente os caminhos de Deus são mais altos que os meus.

Ao longo desta jornada tive o privilégio de aprender muitas coisas sobre o ministério com juventude. Algumas eu aprendi nos livros, outras com os pais, muitas com minha sábia esposa e filhos (tenho um de 15, um de 12 e uma de 9) e a maioria com os próprios jovens e adolescentes. Considero alguns pontos como sendo a base de um ministério de juventude saudável e frutífero. Estamos engatinhando em alguns e já caminhamos um tanto em outros – eu sei que é uma longa jornada, mas não desanime, pois é sempre apenas um passo de cada vez e depois um outro, e assim por diante. Gostaria de abordar rapidamente alguns destes pontos e ao final há sempre uma pergunta para uma reflexão pessoal. Vá respondendo a cada uma delas e faça uma avaliação do seu ministério.

1.      Presença Poderosa de Deus

A juventude busca algo maior, algo sobrenatural. Eles querem conhecer a Deus, estar conectados a Jesus, experimentar transformações de vida e participar de um mover especial do Espírito Santo. Se as nossas reuniões de sábado ou domingo, células e eventos especiais forem apenas sucessões de ritos religiosos vazios – um louvorzinho para animar, avisos, uma palavrinha morna sobre a ética da vida cristã ou do perigo do mundo invadir a igreja – que tipo de gente será atraído? Mas quando no período de louvor encontramos verdadeira adoração, em espírito e em verdade, corações quebrantados e arrependimento sincero, os céus se abrem sobre aquele grupo e o ES se manifesta com o seu grande poder. Dois ou três se levantam para compartilhar os milagres que viveram na semana. Depois vem o pregador e abre a boca para falar palavras ungidas, cheia de autoridade, trazidas diretamente do coração de Deus… Você ficaria de fora de um momento como esse? Você acha que alguns daqueles adolescentes difíceis “que não tem compromisso” ficariam de fora? Acredito que não! Todos anseiam a presença de Deus e se tenho certeza de que ele vai se mover de maneira especial eu não posso perder! Farei todo esforço para estar lá!

A presença de Deus é memorável no seu ministério?

2.      Liderança Ungida por Deus

Os jovens desejam referências humanas para aprender a andar com Deus. Eles buscam homens e mulheres maduros que tenham grandes experiências com Deus e que possam mostrar-lhes o caminho. Todo líder precisa dizer para o seu grupo a famosa frase: “Sejam meus imitadores como eu sou de Cristo”. Se você não pode dizer isso, você tem duas opções: peça a Deus misericórdia a cada dia para que ele mude efetivamente a sua vida e assim você possa dizê-lo ou então entregue a sua liderança! Não podemos liderar um grupo, se não formos à frente mostrando o caminho na prática, no dia-a-dia. Posso ressaltar quatro pontos para você ser um líder bem sucedido:

a) Ame a Deus – com tudo! Pra valer! Mergulhe fundo nas suas águas! Seja apaixonado por ele e dedique todo o seu ser em suas mãos. Os seus liderados não entrarão nas águas se você apenas ficar na margem apontando o caminho. Eles precisam ver os efeitos de Deus na vida do líder, precisam ter certeza que vale a pena!E aí eles vão mergulhar também.Você está apaixonado por Deus?

b) Ame os seus jovens e adolescentes – dedique o seu tempo, os seus feriados, o seu coração, os seus talentos a cada um deles! Eles precisam saber que você não está “tampando buraco” ou “apenas de passagem” ou ainda usando-os como trampolim para vôos maiores. Eles querem confiar a vida deles a vocês. Eles querem se abrir e compartilhar os medos, os sonhos, as dúvidas, as bênçãos, as caídas e recaídas. Mas por que eles fariam isso se não sabem se você ainda estará por lá no dia seguinte? O seu coração está com os jovens/adolescentes?

c) Seja submisso à sua liderança. Neste mundo todo revirado quase não vemos mais a submissão plena. Como edificaremos jovens submissos à autoridade se nós não formos submissos? A insubmissão não é nada mais do que a velha rebeldia que gerou o caos em que vivemos neste mundo. Precisamos honrar publicamente a liderança que está sobre nós e sempre que necessário apresentar nosso questionamento e/ou crítica diretamente a ela. Não podemos semear insatisfação e contendas pela igreja. A qualidade da autoridade que você tem está diretamente ligada à qualidade da sua submissão. Você está em unidade com a sua liderança?

d) Comprometa-se com o crescimento pessoal – o seu crescimento como pessoa, profissional, líder, amigo, professor ou esposo/a é responsabilidade exclusivamente sua. Se a sua igreja, emprego ou família apóia o seu crescimento, ótimo. Se não apóia, saiba que isso não lhe libera da obrigação de crescer em todas as áreas da sua vida! Como ensina Dave Earley no livro “8 Hábitos do Líder Eficaz de Grupos Pequenos” (Ed. Ministério Igreja em Células no Brasil):

“Deus espera o nosso crescimento espiritual (II Pedro 3:18) por isso mãos à obra. É um processo para a vida toda, não um compromisso de curto prazo (Filipenses 3:12-14). O alvo é tornar-se um pouco melhor a cada dia e construir a partir do progresso do dia anterior. Deveria estar ocorrendo em quatro áreas-chave da vida: Sabedoria – vem daquilo com que alimentamos a nossa mente; Estatura – saúde física é resultado de dieta, descanso e exercício; Graça diante de Deus – crescimento ocorre por meio das disciplinas espirituais; Graça diante dos homens – investimento em relacionamentos-chave para crescer socialmente.”

Como líder, você precisa ter o hábito de participar de congressos, seminários, acampamentos de líderes; assistir/ouvir pregações de gente do mundo inteiro; ler livros continuamente (cristãos e não-cristãos) sobre adolescentes e jovens, namoro, casamento, relacionamento, missões, liderança, estratégias, aconselhamento, vida cristã, etc. Nesse item gostaria de sugerir alguns que me impactaram profundamente e que considero obrigatórios:

Igreja
Ministério com propósitos Doug Fields Ed. Vida Pensando o ministério
Igreja com Propósitos Rick Warren Ed. Vida Pensando a Igreja
Igreja em Células Larry Stockstill Ed. Betânia Compreendendo a visão de uma igreja em células e a transição do modelo tradicional
Crescimento Explosivo de Igrejas Joel Komiskey Ed. Ministério Igreja em Células Análise sobre o crescimento das maiores igreja no mundo
Paixão e Persistência – Igreja Elim de El Salvador Joel Komiskey Emocionante história de uma das maiores igrejas do mundo
8 Hábitos do Líder Eficaz de Grupos Pequenos Dave Earley Práticas da liderança de células e pequenos grupos
Liderança e Visão
O Último Degrau da Liderança C. Gene Wilkes Mundo Cristão A última palavra sobre a liderança no estilo de Jesus – ser um servo.
Pode Falar Senhor, Estou Ouvindo. Loren Cunningham Ed. Betânia Testemunho fantástico do fundador da Jocum, a maior missão do mundo
Ensinando para transformar vidas Howard Hendricks Ed. Betânia Princípios para o professor impactar os corações dos alunos
Liderança Corajosa Bill Hybels Ed. Vida Princípios de liderança honesta e testemunho pessoal
Vida Cristã
Eu amo você Jaime Kemp Ed. Betânia Princípios bíblicos para um namoro no centro da vontade de Deus
O Prazer da Espera Jim Burns Ed. Mundo Cristão Abordagem bíblica em questões variadas do mundo adolescente
Vale a Pena Esperar Tim Stafford Ed. Vida A questão do sexo antes do casamento
Limites no Namoro Henry Cloud Ed. Vida Visão equilibrada sobre o namoro
Disse Adeus ao Namoro Joshua Harris Ed. Atos Proposta radical de santidade nos relacionamentos românticos
Certo ou Errado Josh McDowell Ed. Candeia Distinguindo entre verdades absolutas de Deus e cultura vigente
O Jesus que Nunca Conheci Philip Yancey Ed. Vida Uma visão completa e emocionante sobre quem é Jesus
Maravilhosa Graça Philip Yancey Ed. Vida Compreendendo a grandeza e abrangência do amor de Deus
Por Esta Cruz Te Matarei Bruce Olson Ed. Betânia Testemunho incrível sobre um jovem missionário na selva amazônica

3.      Visão Desafiadora

Tenho visto a diferença que faz ter uma visão clara do que se quer, de onde se quer chegar. Ela é fundamental para desenvolver o seu ministério. Qual é a sua visão para os seus jovens? Aonde você quer chegar? O que você vê no futuro (próximo ou distante)? Se você, sendo o líder, não sabe para onde está indo, então porque alguém em sã consciência iria acompanhá-lo? Às vezes nossos ministérios são apenas “vãs repetições” de coisas ultrapassadas que não levam ninguém a lugar nenhum. Porque insistir em fazê-lo? Se você não tem visão peça a Deus e ele vai mostrá-lo o que ele já está vendo!

Cada ministério precisa ter a sua razão de ser, sua declaração de propósitos, sua missão. A nossa Rede da Juventude existe para “transformar a nossa geração em verdadeiros discípulos de Jesus”. É um desafio maior que nós mesmos. Por isso desde os pré-adolescentes até os jovens mais velhos se dedicam de corpo e alma para cumprir esta missão. Quando eles compram a visão nada será difícil demais, caro, cedo, tarde, custoso, chato ou cansativo demais! Quer um exemplo? O meu grupo de discipulado não conseguiu nenhum horário para se reunir durante a semana – conclusão: a nossa reunião é aos domingos às 8hs da manhã! Quer outro: As células de jovens acharam um horário no mínimo estranho – toda sexta feira às 22h30min após a faculdade (e estão cheias de não crentes!). A visão precisa ser ousada, desafiadora e clara! Se tiverem uma visão, eles pagarão o preço.

Você deve estabelecer alvos claros para tudo que fizer – o quero alcançar especificamente e em qual prazo. Se não especificar claramente é apenas um desejo, um sentimento romântico. Se não definir prazos é só um sonho, um devaneio. Os alvos têm que ser mensuráveis e verificáveis para que ao final do prazo estabelecido se possa checar se eles foram alcançados ou não. Ex: Se eu disser que o meu alvo é melhorar a profundidade espiritual dos jovens não resolve, pois é muito vago e não consigo avaliar. É totalmente diferente se eu disser que quero até o meio do ano (o prazo) 80% dos jovens tendo um momento a sós com Deus pelo menos 4 vezes por semana (o que quero alcançar). Preciso agora descobrir um meio eficaz de verificar isso (por exemplo, uma enquête a cada fim de mês) e desenvolver campanhas para atingir meu alvo (pregações e lições de célula sobre o tema, testemunhos de gente que tem o costume de fazer, distribuição de diários de momento a sós, incentivo para os que alcançarem as metas, etc.). Ao final de cada mês avalio como os jovens estão progredindo e reforço as promoções ou as modifico para que no final do semestre consigamos atingir o alvo proposto! Não tenha medo de números. Eles servem para nos ajudar a ver se estamos no caminho certo ou se estamos perdendo o nosso precioso tempo.

Você tem uma visão para o seu ministério? Quais são os seus alvos?

4.      Identidade de Grupo

Todos sabem da importância de pertencer a um grupo, de ser aceito, de se identificar com algo. Na juventude esta questão se torna crucial. Daí a profusão de jovens em equipes esportivas, gangues de rua, torcidas organizadas, grupos religiosos, milícias, galeras e tribos. E sempre tem os elementos de identificação – sejam gírias ou modos de falar e de andar, estilos de roupas, penteados e maquiagem, locais de encontro, atividades esportivas, piercings, tatuagens, gestos, sinais e atitudes.

O seu ministério precisa desenvolver uma identidade clara da qual os jovens tenham orgulho – isso é mais do que um nome, uma marca ou um estilo. É algo que os estimule a trazer seus colegas de escola ao invés de sucumbir à tentação de acompanhá-los nos seus caminhos duvidosos. Tem que ser uma identidade viva, desafiadora, dinâmica. Essa identificação entre o ministério e a própria vida deve ser tão forte que eles possam se colocar diante de uma sala de aula e se posicionar a favor de Jesus e de sua igreja sem constrangimento algum: “É isso que sou e me orgulho disso!”.

Para ajudar nesse processo de marcar a nossa identidade na Rede da Juventude temos um símbolo que sintetiza a nossa missão: uma espiral colorida que mostra cada passo que queremos conduzir o jovem para transformá-lo em um verdadeiro discípulo de Jesus. O não-crente entra na espiral pela parte mais externa azul e é conduzido até o centro em vermelho se tornado um discipulador de líderes de célula, passando por cada cor representando fases de desenvolvimento e níveis de compromisso com Deus.

Cada acampamento tem o seu tema e cada ano os grupos tem a sua camiseta estampada com os dizeres que queremos enfatizar naquele momento. Este ano o tema é “Mais Paixão, Dedicação e Conquista” nas cores verde, amarelo e azul (cada faixa etária tem a camisa de uma cor) aproveitando o clima da Copa do Mundo. São elementos que não criam a identidade, mas oferecem um reforço positivo para a promoção dela. Flyers, banners, bottons, cartazes e vídeos devem ser utilizados a seu favor. Não economize criatividade e envolva a sua turma na caminhada que Deus planejou.

Qual é a identidade do seu grupo?

5.      Relacionamentos Significativos

A comunhão é um dos propósitos básicos para a existência da igreja. A comunhão, como diz Doug Fields, é mais uma questão de entrosamento do que de entretenimento. Os relacionamentos entre os membros têm que ser significativos e profundos – não apenas amenidades superficiais de final de semana. Eles precisam estar conectados uns aos outros por laços firmes e sinceros. Os diferentes precisam ser aceitos, os rejeitados precisam ser acolhidos, os desesperados precisam encontrar esperança, os solitários têm que se sentir amados e integrados, os pecadores precisam encontrar a graça. Como a igreja é uma comunidade de amor, todos que a procurarem têm que encontrar esse amor sem maiores complicações. Se amarmos uns aos outros o mundo saberá que somos discípulos de Jesus.

As células têm sido uma ferramenta excepcional para desenvolver os laços de comunhão entre os jovens e adolescentes. Como os nossos grupos são dirigidos por gente da mesma faixa etária (jovens lideram jovens, adolescentes lideram adolescentes e pré-adolescentes lideram pré-adolescentes) a liberdade no compartilhar é muito grande, a intimidade é fácil e as novas amizades surgem constantemente. Eles se encontram nas casas, saem juntos, viajam juntos, passeiam juntos… E a cada dia são acrescentados os que crêem.

Os jovens no seu ministério desenvolvem relacionamentos significativos?

6.      Momento a sós com Deus

Enquanto não desenvolver um hábito de separar um tempo a sós com Deus, a fé do jovem fica muito dependente das programações da igreja e do ambiente cristão. Mas a maturidade vem quando ele aprende a buscar a Deus individualmente no lugar secreto. Ali aprende a extrair da Palavra de Deus a direção para a sua vida, a colocar seus pedidos diretamente nas mãos de Deus e a receber a resposta diretamente do alto. Uma das nossas ênfases ministeriais é no amadurecimento individual através desta disciplina espiritual. Esse tempo deve constar de pelo menos três partes:

a) Estudo da Palavra – Conhecer a Bíblia é essencial para amadurecer na fé. E isso tem que ser feito diariamente e individualmente. Cremos que tem que ser por escrito em um diário para concentrar as atenções, sintetizar o que está sendo lido e registrar o que Deus tem mostrado a cada dia. Ao final do mês eles podem rever como foi a sua caminhada com Deus. Para isso criamos um diário de momento a sós, um plano de leitura bíblica, um formulário de controle destes momentos e incentivamos essa prática continuamente do púlpito, nos grupo de discipulado (para os líderes de célula), nas células e na escola de treinamento. Nos acampamentos sempre temos o momento a sós na programação diária. É um dos pilares da vida com Deus!

b) Oração – falar com Deus é parte integrante deste momento tão precioso. São palavras de gratidão, confissão de pecado, pedidos pessoais e intercessão pelas células, liderança, igreja, cidade, amigos e parentes.

c) Louvor – é aproveitar a liberdade individual, a privacidade do lugar secreto e se soltar na presença de Deus, cantando (acompanhado de um instrumento ou CD), dançando, pulando e se prostrando diante do Rei Jesus.

Os seus jovens têm o costume de gastar tempo a sós com Deus?

7.      Estrutura Organizada

A estrutura do seu ministério precisa funcionar de forma contínua e confiável, gerando resultados significativos na direção de alcançar a visão estabelecida. A estrutura deve ser ao mesmo tempo robusta para resistir ao desgaste da rotina diária e flexível para facilmente se adaptar aos novos ventos do Espírito. Muitos líderes apenas tocam o ministério sem saber exatamente para que serve cada programa ou evento.

A estratégia proposta por Doug Fields em seu excepcional livro “Ministério com Propósitos para Líderes de Jovens” (Editora Vida) diz que toda e qualquer ação no ministério deve ser direcionada para atingir a um propósito específico, a um público específico, de uma forma específica e para gerar frutos específicos. Abaixo o improviso, o entretenimento e o sofrimento. Cada momento deve ser planejado intencionalmente. Esse livro é leitura obrigatória para qualquer líder de juventude que queira um ministério frutífero e saudável. Na nossa Rede estamos vivendo esse processo de nos reorganizarmos e eliminar essa correria desenfreada que gera muito trabalho (e retrabalho), muita canseira e pouco fruto.

A nossa igreja é uma igreja em células e por isso a estrutura da Rede da Juventude se baseia nesta estratégia. Atualmente trabalhamos da seguinte forma:

a) Células – pequenos grupos com ênfase evangelística que se reúnem exclusivamente durante a semana (em dias úteis) nas casas. Elas não se reúnem na sede da igreja e nem nos finais de semana. Cada célula tem o seu líder e um LT (líder em treinamento) ambos da mesma faixa etária do grupo. As reuniões têm duração de no máximo 1 hora e meia (sem contar o lanche) com quebra-gelo, louvor, oração, estudo e desafios. Ao atingirem 12 a 15 membros regulares elas se multiplicam em duas ou mais novas células, cada uma com seu líder e LT. Elas podem se multiplicar em qualquer época, mas pelo menos uma vez por ano quando a igreja promove a Festa da Multiplicação. Cada célula se dedica à oração pelos jovens que quer alcançar e promove Eventos de Colheita (jantares, sessões de vídeos, churrascos, dia no clube, etc.) e Dia do Amigo (reuniões especiais da célula dirigida ao visitante).

b) GDs – são os grupos de discipulado, separados por sexo em que participam todos os líderes de célula. Eu e minha esposa, Simone, somos os Pastores da Rede da Juventude e cada um lidera um GD (um masculino com 9 discipuladores e um feminino com 6). Estes discipuladores (nível 1) são jovens da própria turma que se destacaram pelo testemunho, desenvolvimento e multiplicação de suas células. Além de liderarem suas próprias células, eles lideram GDs compostos de líderes de célula e/ou discipuladores (nível 2). Assim a estrutura cresce ilimitadamente, pois à medida que um líder multiplica a sua célula várias vezes ele forma o seu próprio GD com os novos líderes de célula que ele mesmo gerou, tornando-se ele mesmo um discipulador. Não dependemos de atrair adultos voluntários para cuidar de jovens para poder crescer. A própria estrutura se alimenta gerando os líderes de que precisa.

c) CCM – Aos sábados de 17:00 às 18:45 temos o nosso Centro de Capacitação Ministerial que é a escola de treinamento de líderes. Este é um dos alicerces do sistema da IBC, pois ali é que são preparados os novos líderes para as novas células. Temos as turmas de Primeiros Passos (para iniciantes – duração de 2 meses), Básico (fundamentos da fé – duração de 1 semestre), Treinamento (preparação de liderança para as células – duração de 2 semestres) e Avançado (Doutrina, Liderança e Missões – cada um com duração de 2 semestres). Ao terminar o primeiro semestre do treinamento o aluno está habilitado a liderar uma célula.

d) Celebração das Células – Às 19h30min temos os cultos com louvor e palavra alternando reuniões separadas por faixa etária e reuniões de toda a rede unida.

e) Oração – estamos começando um tempo de oração todo sábado sob a coordenação de um par de discipuladores de cada vez.

f) Eventos especiais – está em fase de planejamento um evento especial por mês para cada faixa etária simultaneamente no mesmo final de semana. Temos feitos shows evangelísticos, festivais de dança, dias de comunhão, acampamentos e retiros para líderes, viagens missionárias e intercâmbios interestaduais.

g) Encontro com Deus – um retiro de final de semana na nossa sede campestre para não-crentes com palestras, dinâmicas de grupo e teatros, sempre com o objetivo de apresentar o evangelho de forma clara e criativa. A IBC tem levado80 a 100 não-crentes a cada mês para este evento. A rede têm sido responsável por um destes encontros a cada semestre. Em outubro de 2005 fizemos dois simultâneos com mais de 170 jovens e adolescentes. É uma estratégia excelente com resultados incríveis.

À medida que o ministério cresce é necessário repensar toda a sua estrutura, estratégias e programas. É um processo de aperfeiçoamento contínuo.

O seu ministério é bem estruturado? É uma estrutura moderna, flexível e permite crescimento? Você trabalha com células ou pequenos grupos?

8.      Parceria com os Pais

Você já sentiu raiva dos pais que não cooperam e que só tornam as coisas mais difíceis? Já sonhou com um súbito desaparecimento de determinados pais e mães? Eu já! Mas descobri que não são sentimentos corretos que Deus aprove. Eles são frutos de uma visão errada daquilo que somos chamados a fazer. A responsabilidade pela criação e educação dos filhos é totalmente dos pais. O nosso papel é dar suporte a eles nesta tarefa tão árdua. Precisamos descobrir as suas necessidades e seus medos em relação aos filhos e procurar ajudá-los a serem vencedores neste grande desafio. Promova programas pais & filhos juntos, retiros e palestras só para pais e gaste tempo com eles. Descubra pais que já terminaram de criar seus filhos (e foram bem sucedidos) para ajudá-lo. Nunca se esqueça de que eles são os principais e nós apenas seus servos.

Os pais se sentem participantes do seu ministério?

9.      Crescimento Contínuo

Aquilo que não cresce definha e morre! Deus nos chama para crescer e multiplicar. Ele quer ver seu reino se ampliando e nos convoca para esta tarefa. Alguns anos atrás um amigo meu, pastor de adolescentes em SP, resumiu o meu ministério em uma palavra: manutenção! Éramos ótimos em cuidar de crentes, fortalecê-los e engordá-los. Mas não crescíamos em número, não alcançávamos os perdidos. Naquela hora fiquei irritado e incomodado, mas tive que concordar com ele. Hoje a situação não é mais assim. Estamos crescendo em quantidade e em qualidade como nunca antes (uma não pode andar sem a outra). A estratégia das células permite um crescimento constante nas duas características. A visão de ganhar almas é algo que nos move. Ver perdidos sendo achados, pecadores sendo levados ao arrependimento é algo que não tem preço.

No final de janeiro deste ano um jovem novo, completamente envolvido com noitadas, mulheres e bebida, me procurou após uma reunião de sábado à noite dizendo que precisava entregar a vida para Jesus. Começou ali uma caminhada linda de restauração de vida e hoje está firme, integrado e desafiado a andar de uma forma digna do chamado de Deus para ele. Está crescendo no conhecimento de Deus, integrado na igreja e já esta trazendo colegas para conhecerem a Jesus. Tudo graças à célula. Como esse caso, temos muitas outras histórias para contar. Não somos mais um ministério de manutenção – mas de preparação e envio de jovens e adolescentes cheios de Deus para transformar a nossa geração. Creio que o crescimento em número e no compromisso está intimamente ligado à saúde do ministério. Desta forma estaremos cooperando com a expansão do reino de Deus aqui na terra.

O seu grupo tem crescido nas duas dimensões?

10. Desenvolvimento de Liderança

Para mim, a marca mais evidente de saúde no ministério é a capacidade de gerar novos líderes. É trabalhar com um jovem ou adolescente completamente perdido (como o caso citado anteriormente) e alcançá-lo para Jesus, entrosá-lo no grupo, ensiná-lo para que cresça em uma fé individual, desafiá-lo a uma vida de adoração e intimidade com Deus e, finalmente, torná-lo um servo que investe seus dons e talentos para conduzir outros ao conhecimento de Deus. Isso é desenvolver líderes. Isso é transformar um jovem em um verdadeiro discípulo de Jesus – e assim cumprir a nossa missão.

Mais uma vez as células em suas multiplicações oferecem oportunidades “infinitas” para o surgimento de novos líderes. Em Junho de 2003 eram 18 células na Rede. Em 2004 eram 29. Em 2005 chegamos a 74. E agora em junho de 2006 esperamos algo em torno de 120 células! Para cada célula precisamos de um líder (é claro) e preparamos um novo líder em treinamento para a próxima multiplicação. É nisso que cremos e é isso que fomos chamados para fazer!

Você tem desenvolvido novos líderes para o seu grupo?

Conclusão

Após tantos questionamentos, precisamos (e eu me incluo nisso) parar e avaliar o nosso ministério, a nossa liderança e os frutos que temos colhido para Deus. Vejo com toda a clareza que vivemos um tempo especial de Deus entre nós. Não podemos permitir que nada atrapalhe o fluir do Espírito Santo na nossa vida, igreja e ministério. Vamos implantar o que está faltando, mudar o que está errado e desenvolver o que já está bem encaminhado! Apenas creia e você verá a glória de Deus enchendo a sua vida e a dos jovens e adolescentes que estão com você e os que não conhecem Jesus serão alcançados. Assim cumpriremos o propósito de Deus para a nossa geração! Vitória, em nome de Jesus!

* Roberto Bottrel, 41 anos, arquiteto e pastor da Igreja Batista Central de Belo Horizonte, é responsável pela Rede da Juventude. Casado há 18 anos com Simone, tem três filhos, Lucas, Felipe e Raquel. rbottrel@superig.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *